Como usar realçador de sabor na preparação de molhos?

A presença dos molhos está em diversas receitas, muitas vezes como forma de tempero para carnes ou adição no macarrão italiano. Seja ele o molho branco, molho de tomate ou outras receitas variadas de molho, esse sabor natural que o molho contém pode ser melhorado ainda mais com a presença do realçador de sabor em sua produção.

O realçador de sabor está presente em diversos alimentos industrializados e receitas caseiras no dia-a-dia das pessoas. Afinal, é um aditivo alimentar que busca trazer um sabor melhor para a comida. Esse sabor é chamado de umami, um quinto sabor que o paladar humano pode identificar, sem depender do amargo, doce, salgado ou azedo.

Muitas pessoas não sabem como utilizar o realçador de sabor na preparação de seus molhos, porém há maneiras de fazer qualquer molho obter um sabor marcante por meio deste aditivo alimentar. O realçador de sabor contém uma longa história e produção que vale ser notada.

O que seria o realçador de sabor?

O realçador de sabor pode ser chamado de GMS ou MSG, sendo siglas que significam glutamato monossódico ou, em inglês, monosodium glutamate. Ele é considerado um aditivo alimentar que é um sal de sódio do aminoácido comum ácido glutâmico. Sendo assim, realçadores de sabor podem ser considerados cheios de sal.

O glutamato monossódico não é algo industrializado, já que pode ser encontrado em pequena quantidade dentro do organismo humano, estando presente até mesmo no leite materno. Além disso, o glutamato também pode ser encontrado no tomate, no queijo de vários tipos e em diversas carnes, como de boi ou frango. Portanto, o realçador de sabor é algo semi-natural.

Seu gosto umami também é conhecido como sabor de carne ou gosto suculento, sendo um sabor diferente que o paladar humano não consegue reconhecer ao ser apresentado a opção do umami natural e umami industrial, ou seja, não existem diferenças claras entre os dois para o paladar do ser humano.

Qual a origem do realçador de sabor?

No ano de 1908, muitos bioquímicos estavam em busca de um novo sabor para adicionar em produtos industrializados. Com a enorme quantidade de industrialização que ocorria nos países asiáticos, um bioquímico de nome Kikunae Ikeda decidiu estudar uma alga comestível chamada de kombu. A partir do kombu, o bioquímico japonês conseguiu obter o sabor que se tornaria o realçador de sabor dos dias de hoje.

Por conta do kombu ser uma alga natural da região japonesa, não é fácil encontrar ela fora do país e, portanto, quando o realçador de sabor se espalhou pelo mundo, houve a necessidade de mudar sua receita para que pudesse se adaptar com a culinária do Ocidente. Por isso, foi feita uma nova receita que é utilizada até hoje.

A receita atual do realçador de sabor contém melaço, amido, cana-de-açúcar e também conta com a beterraba sacarina. Esses elementos ajudam na fermentação e é semelhante a produção do iogurte, vinhos e vinagres. Sendo assim, é uma receita mais fácil do que a com uso do kombu, facilitando a produção dos alimentos com a presença do sabor umami do realçador de sabores.

Receitas de molhos com uso do glutamato monossódico

Sabendo de sua história, podemos contar com o sabor umami de um realçador de sabores em diversas receitas dos dias atuais. Porém, no Japão e China, ainda é comum encontrar o uso do kombu tradicional na produção do realçador de sabor local. Para opções de molhos usando do glutamato monossódico, podemos mencionar as seguintes receitas:

  • Molho inglês;
  • Molho de tomate italiano comum, usado no macarrão, lasanha e outros pratos italianos;
  • Molho com limão sicilano para carne de frango;
  • Molho de laranja para frango;
  • Molho de mostarda e mel para sobrecoxas, uma opção comum dos EUA;
  • Molho de lemon pepper e mel para frango.

Ou seja, o realçador de sabor está presente em diversas receitas que podem ser feitas em casa, contanto que haja moderação. Ele pode adicionar um sabor marcante com a ajuda do sabor umami. Apesar desse sabor estar presente nas carnes de forma natural, é recomendado a presença do glutamato monossódico para aumentar a suculência das receitas por meio de molhos como esses.

Riscos do excesso de glutamato monossódico

O excesso de glutamato monossódico é um malefício que muitos sofrem, já que ele está presente em diversos alimentos do dia-a-dia como refrigerantes, salgadinhos e biscoitos, além de caldos de carne que ajudam na preparação de molhos caseiros. Sendo assim, vale lembrar que a moderação é importante.

O glutamato monossódico pode afetar o cérebro e o fígado, também causando náusea, tonturas, dor de cabeça e podendo até mesmo levar à morte em casos muito graves. Por isso, é importante que haja uma moderação no consumo de qualquer realçador de sabor, sendo ele adicionado em molhos ou em outros alimentos.